shopping-bag 0
Items : 0
Subtotal : 0,00
View Cart Check Out

FOTOS_C_LOGOS

Nocentini fora da conquista pela amarela, luta por um lugar no pódio

Rinaldo Nocentini terminou em quinto na penúltima etapa da Volta a Portugal, a mais de cinco minutos do vencedor, Amaro Antunes. O Sporting-Tavira liderou durante 50 km a perseguição ao duo da W52-FC Porto. Mas Amaro Antunes e Alarcón arrancaram a seis kms do topo da Serra da Estrela e nunca mais foram apanhados

A tirada de 184,1 quilómetros, entre a Lousã e a Guarda, com passagem pela serra da Estrela, onde a W52-FC Porto destruiu o pelotão, tendo como dano colateral o atraso do seu chefe-de-fila: Gustavo Veloso.

O dia iniciou com uma fuga de 26 ciclistas. O Sporting-Tavira colocou Jesus Ezquerra, Luís Fernandes e Mário Gonzalez para contrariar os três ciclistas tanto da W52-FC Porto, Vinhas, Mestre e Joaquim Silva, como da Efapel, Rafael Silva, Del Pino, Barbio.

À medida que a inclinação e altitude da Torre se fizeram sentir, a frente da corrida começou a misturar-se com grupos perseguidores. Amaro Antunes (W52-FC Porto) mexeu com a corrida e conseguiu alcançar a frente da corrida.

Gustavo Veloso passava grandes dificuldades, enquanto o Sporting-Tavira acelerava o ritmo para afastar o galego da discussão, que saiu inclusivamente do top-15 da prova-rainha depois de demorar mais de 40 minutos a concluir.

Raúl Alarcón, atacou e chegou à frente da corrida, onde viria a ter o auxílio de Mestre e Amaro Antunes, além da concorrência do camisola branca, Krists Neilands (Israel Cycling Team).

Sérgio Paulinho da Efapel começava a quebrar, enquanto De La Fuente se aliava ao Sporting-Tavira para permitir que De Mateos se aproximasse da liderança da prova. Ezquerra já havia regressado da fuga e, juntamente com Alejandro Marque, tentavam levar Nocentini. A quatro quilómetros do alto da Serra da Estrela, ‘Noce’ cedia 54 segundos para os ciclistas azuis e brancos. Mario Gonzalez passou pela frente para condicionar a tentativa de fuga de João Benta e juntava-se um cada vez maior grupo de perseguição, composto por RP Boavista, LA Alumínios, Sporting-Tavira, Louletano-Hospital de Loulé e Efapel.

Na passagem pela meta de montanha, a distância estava cifrada nos 1.17’. Marque procurou rebocar Nocentini, assumindo as despesas de perseguição na descida rumo a Valhelhas, meta volante onde Alarcón bonificou mais três segundos. Finda a descida, Ricardo Mestre abandonou o trabalho, ficando Alarcón e Amaro na dianteira, enquanto a 30 km da meta, só García de Mateos e Nocentini pareciam interessados em recuperar o espaço para a frente.

O Alejandro Marque procurou conduzir Nocentini subida acima, mas a distância não parou de crescer até à meta. Amaro Antunes venceu a jornada e também a camisola da montanha. Com a bonificação de 10 segundos (contra seis de Alarcón), o algarvio parte para o contra-relógio de Viseu com uma desvantagem de 29 segundos.

O italiano está a oito segundos de De Mateos e de um lugar no pódio.

Alejandro Marque finalizou em sétimo, subindo a esse mesmo lugar na geral, agora a 7.07.

Alejandro Marque tentou levar Nocentini para a vitória da Volta a Portugal, sem sucesso, depois de uma perseguição que diz não entender devido à falta de colaboração dos restantes: “Ainda houve um colega a ajudar, mas depois estive sempre eu praticamente a tentar puxar. Tive de entrar muito cedo, sem entendimento é difícil. Não percebo a RP Boavista e a Efapel. Se nos entendêssemos poderia ser mais fácil. Eles também tinham objectivos”. Contudo, realça que o terceiro posto está dentro das possibilidades: “O pódio não está perdido. O terceiro será entre De Mateos e Nocentini”. O ciclista assumiu o desejo de procurar a vitória no contra-relógio: “Vamos ver como as pernas recuperam depois da etapa de hoje. Vou tentar lutar por uma vitória, evidentemente. Veremos se as pernas respondem bem”.

Rinaldo Nocentini reconheceu que a corrida pela Volta a Portugal está terminada, depois de um dia em que classifica a W52-FC Porto como estando acima das restantes: “Podíamos tentar seguir com o Alarcón. Contudo, pensávamos que poderíamos retirar um pouco de tempo. Hoje foram mais fortes. Os dois da frente estiveram de outro nível. A correr como eles correram hoje, poderiam estar no World Tour. Trabalhámos muito na perseguição, mas por mais que trabalhássemos mais tempo perderíamos”.

Nocentini agradeceu à equipa, especialmente ao desempenho de um “super Marque” na perseguição, e, referiu: “Vamos tentar chegar ao pódio. Para mim é um grande resultado. Tenho 40 anos, é a segunda Volta a Portugal que faço. Espero conseguir o terceiro lugar. Quero agradecer à equipa e vamos tentar o melhor possível”.

Vidal Fitas realçou o trabalhos dos seus corredores, reconhecendo o valor dos adversários: “O movimento do Raúl Alarcón [ataque na Torre] foi muito forte para toda a gente. Nem o Nocentini nem ninguém o conseguiu seguir. Pensámos que a melhor estratégia era tentar anular o intento com uma perseguição. Contávamos ganhar tempo, mas tanto Alarcón como Antunes mostraram-se muito fortes. Dissemos adeus à vitória pela Volta, mas de pé. Os atletas fizeram o que lhes foi pedido e o que as forças deixaram, portanto tenho de estar satisfeito. A condição deles era bastante boa, mas apanhámos dois adversários que fizeram o que fizeram. Há que dar os parabéns”.

O director desportivo apontou o contra-relógio e a subida ao pódio como objectivos: “Há um lugar no pódio a conquistar. Temos de lutar por ele”.

No contra-relógio de Viseu, Nocentini é candidato a entrar no pódio e Marque um candidato à vitória na tirada, esperando que possa subir ao top-5 da prova.

 

Classificação da etapa

1.º Amaro Antunes, W52-FC Porto, 4:56.55 horas

2.º Raúl Alarcón, W52-FC Porto, m.t

3.º Krist Neilands, Israel Cycling Team, a 1.28′

4.º Vicente García de Mateos, Louletano-Hospital de Loulé, a 4.41′

5.º Rinaldo Nocentini, Sporting-Tavira, a 4.44′

7.º Alejandro Marque, Sporting-Tavira, a 4.50′

 

Classificação geral individual

1.º Raúl Alarcón, W52-FC Porto, 41:19.59 horas

2.º Amaro Antunes, W52-FC Porto, a 31′

3.º Vicente García de Mateos, Louletano-Hospital de Loulé, a 5.04′

4.º Rinaldo Nocentini, Sporting-Tavira, a 5.12′

5.º João Benta, RP Boavista, a 6.29′

7.º Alejandro Marque, Sporting-Tavira, a 7.04′

 

Fonte: in Sporting.pt

Photos © João Fonseca Photographer

 

#SportingTavira

#CiclismoTavira

#Tavira

#PaixãoPeloCiclismo

Leave a Reply